sábado, 21 de junho de 2008

Olha lá... vem surgindo a noite vem...

Fernanda Petit e Cássio Schonarth em "A Canção de Assis"

Ah, como é bom...

Fazer arte e saber que não se está sozinho.

Jogar uma energia pra platéia e recebê-la de volta, transformada, fecundada, multiplicada e milhares de partículas de sentimentos...

Exagero? Não. Foi o que eu senti hoje à tarde na Canção de Assis.

Perfeito? Claro que não! Poderia, pode e sei que faremos cada vez melhor.

Mas é por isso principalmente que insisto nesta loucura de uma profissão de eterna insegurança, de todos os tipos que se pode ter. Por poder viver estes momentos de comunhão, de saber-se em cena respirando e pulsando junto com meus colegas de cena e de uma platéia inteira, de perceber esta platéia se deixando levar pelos caminhos que a tua história sugere, de ver crianças atentas e adultos se deixando ser crianças e se entregando a um sonho, se permitindo sonhar.

Hoje finalmente entrei em cena na Canção de Assis inteira. Pronta pra jogar, brincar, sonhar. A insegurança da estréia já tinha passado, a compreensão da linguagem foi absorvida, as orientações do diretor foram digeridas e metabolizadas. Amigos queridos na platéia, atores inteiros em cena, a casa bem mais cheia do que nos dias anteriores, vibração total.

O resultado, um espetáculo emocionado. Uma platéia idem.

Fico com a imagem da amiga Bel, que por indicação de outra amiga, a Letícia (que hoje assistiu pela terceira vez consecutiva na Canção!), foi conferir o trabalho... os olhos cheios de lágrimas e a expressão dela ao me abraçar no final, só me fez ter uma certeza: ela viu a Canção de Assis do jeito que eu tenho ela dentro de mim. Obrigada Bel, Lê, platéia, cancioneiros, Gilberto. Hoje foi muito especial.

E amanhã, última apresentação da temporada... Vamos arrasar?

Sim! Eu quero. Mais que arrasar, vamos nos encantar de novo? Sim! Eu quero muito!
Merda amanhã!

2 comentários:

Morpheus disse...

Na minha cabeça racional a matemática é simples e o resultado um só: esse. Tu só pára de trabalhar comigo se quiser, loira. Sou teu fã de verdade, como atriz, amiga e mulher. Eu é que tenho que te agradecer por fazer parte da Canção e dos que virão depois dela. Precisava de mais gente como tu, mas esses são raros demais.
Beijo.

Ariane disse...

ARRASAR É POUCO! VCS MATARAM A PAU!!!