segunda-feira, 14 de julho de 2008

deste momento...


Escrevo e apago, escrevo novamente... e apago.

Não. Não vale a pena falar a respeito. Tem coisas que não são para ser ditas, são para ser percebidas e se não o são, é melhor deixá-las quietas.

Pelo menos o mais quietas possível, ou o suficiente para amadurecerem sozinhas.

Pensamento confuso, questionamentos sem fim. É, "eu me questiono" também.

Sobre tudo. Sempre.

Sobre a vida, a arte, amores... espaço.

O meu espaço. O meu papel. A minha função e as condições que tenho para assumi-la, ocupá-la e ser digna.

E volta e meia me pergunto se não peguei a estrada errada. Se não estou iludida. Se não estou sonhando demais. Demais? E algum sonho é demasiado? Sonho é sonho - eu penso - e no meu sonho mando eu. Se quero ele pequeno, o faço, se quero ele gigante, deixa eu sonhar!

Aff... mas como um Dom Quixote me deparo com tantos moinhos sempre... Se eu me desse conta que são apenas moinhos, seria tudo mais tranquilo.

Mas nada parece propenso à tranquilidade... tudo sempre tão turbulento...

Tô um pouco mareada com isso tudo, parece final de domingo de Páscoa quando a gente come chocolate demais... E eu adoro chocolate...

Adoro...

"... adoro cortinas que se abrem... adoro o silêncio antes do grito... adoro o infinito de um momento rápido... o instrumento gasto... o ator aflito" ... Gracias Zélia Duncan, sempre as palavras certas no momento exato...

A atriz aflita fica por aqui...

2 comentários:

Ariane disse...

A outra atriz aflita concorda e dá continuidade a aflição... q venha a calmaria... bju loira!

Daiane Oliveira disse...

lucinha traduziu meus pensamentos... eu tbm me questiono... sobre tudo." E volta e meia me pergunto se não peguei a estrada errada. Se não estou iludida. " affff...
vou deitar minha cabeça no travesseiro e tentar dormir um pouco... atriz aflita tbm. eu sou!
te adoro, loira!