sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Já?



Sim, no meio da madrugada fria, vejo um post no blog d'O Avarento, faço uma pausa e concluo...
Já.
Já faz um ano.
Que estreamos, dia 14 de agosto de 2009 este espetáculo tão importante na minha carreira.
Emoções se confundem em mim.
Pois no próximo domingo, dia 15 de agosto, fará um ano também que meu pai, o "véio Benda" nos deixou.
Na balança desta vida louca, os sentimentos se debatem.
Saudade? Tristeza? Alegria? Orgulho?
Tudo.
Tudo-junto-agora-ao-mesmo-tempo.
Cada vez mais acredito que nada é tão assim ao acaso.
Cada vez mais me proponho a aprender com o ser humano e com os muros que se erguem frente a gente e as barreiras que no nosso caminho se instalam.
Eu sei lá onde tudo isso vai dar.
E na boa às vezes não me importa. O momento-agora é tão mais importante. Ou deveria ser.
talvez escreva isso pensando exatamente em me convencer disto. Porque o amanhã é incerto mas tem sempre um motivo para ele acontecer.
Nada é de graça.
E que bom saber olhar as coisas assim.
Pois bem, é nessa madrugada gelada desta Porto Alegre que eu amo que eu queria dizer a todos do Grupo Farsa o quanto me sinto em família ali. O quanto me sinto amparada e o quanto cada um de vocês com suas particularidades me encanta e me faz crescer. O quanto quero aprender com vocês, de Arte e de arte. A arte do conviver. De conviver com as neuras e não-neuras, com as palhaçadas e "tansisses", com as paciências e explosões, os bons-sensos e os chutes nos baldes. Me sinto realmente em família, talvez por ter a minha se reduzido tanto nos últimos anos... E isso não é mais uma daquelas declarações trouxas da era internética que todo mundo diz que ama todo mundo com a maior facilidade. Estou aqui falando de um sentimento que vem se construindo sólido e que cada vez mais mostra maturidade ao se perceber tão repleto de uma capacidade de regeneração. Pois bem meus querido e queridas. Amo. Mesmo. Cada um de vocês, e nesta madrugada desejo a todos um ótimo aniversário nada avarento e abraço cada um de vocês embaixo do nosso capote! Muitos anos de vida ao nosso espetáculo.

meu pai e minha sobrinha há uns 8 anos atrás...
E a ti meu paizinho porteño, que tanta falta faz, mas que acredito esteja em ótima companhia, mando uma energia enorme de gratidão por tudo que me ensinou, pela faísca do teatro que acendeu em mim essa coisa doida que não consegue parar de querer respirar em cima do palco ou ao menos ao redor dele.
Te amo sempre pai, te abraço forte e penso sempre nos teus olhos azuis, me incentivando, nas platéias ou no sofá da sala, em frente à lareira, tomando um "negro caliente" ou um cafézinho para os reles mortais.
Procuro não pensar muito na tua ausência e na da mãe, porque nunca achei sadio para os que ficam amarrar com tristezas a morte. Acho que às vezes é melhor para todos deixar que os outros partam. Por que desta maneira sofre-se menos. Mas não sou muito boa em seguir regras, e hoje, confesso, chorei tua ausência.
Pausa. Faz parte. Chorar também me limpa. Penso. Tua presença em mim é maior. Tá nas veias, nos traços, na arte, nos palavrões, no dna, na essência.
Não vou te prender ao meu chôro pai. Vou te comemorar hoje. E sempre.
Dorme bem viejo...
Te amo mucho.

besos y sonrisas...

5 comentários:

Morpheus disse...

Muito lindo tudo isso.
Um ano...
E tantos outros por vir.
Vamos aprendendo as lições da vida e restabelecendo confianças.
Tu és peça fundamental do sucesso desse grupo.
Te orgulha!
Eu me orgulho muito de ti.

petit disse...

ai nem sei q dizer
ah tu sabe
e ai pra q textinho p teu pai..coisa mais delciosa
vc é meu chulé e deu

Zon disse...

Há um ano nos encontramos (ou nos reencontramos) e a cada representação me orgulho mais de ti, de ser teu colega, parceiro, de dividir contigo o que é mais sagrado para mim. Te amo.

Lu Bendati disse...

Upa em todos vocês!

Helena Mello disse...

Já te disse antes...teu pai me deu meu único 10 na vida! Até tinha tirado uns "Plenamente satisfatórios" no colégio antes, mas 10 nenhum! Então, minha amiga que, em breve, quero mais por perto, nossos caminhos já estavam entrelaçados. Porque a vida é este trem em que uns sobem, outros descem, em que uns estão sempre chegando e outros sempre partindo e se temos sorte é o amor que nos dá o rumo.