segunda-feira, 26 de abril de 2010

Lembranças... saudades... suspensão

Raquel Nicoletti em ação
Eu suspensa...
O friozinho se ensaia...
Uma delicia pra mim que faço parte da turma que não suporta calor.
Chego em casa do ensaio e um recado no orkut acalenta o coração. Tão bom saber das pessoas queridas e saber que a gente ocupa no coração do outro um mesmo espaço carinhoso reservado a ele em nós.
No último sábado, numa experiência que tem sido estranha em mim - a de ficar com a família à tarde, coisa que não me acontecia com freqüencia pois sempre estava em temporada com as peças infantis - convidei a minha irmã e minha sobrinha para assistir ao episódio de "longe de casa", exibido pela RBS, que aborda a vida de gaúchos que moram fora do Brasil. A personagem de sábado passado era uma amiga e ex-colega do DAD por quem sempre tive um enorme carinho. Raquel Nicoletti.
Ah... a Raquel! Com os olhos marejadinhos d'água fui acompanhando minha doce amiga, que narrava seu dia-a-dia em Lisboa em bom português "de Caxias" com pitadas de Lisboenses... hehehe... Um encanto... A voz sincera, o humor seco e único, o sorriso amplo, por vezes um ar melancólico.
Juliet, minha doce Juliet. Até hoje a chamo assim pois passamos pelo maior desafio de todos na faculdade, em uma cadeira de interpretação com a maravilhosa Gina Tocchetto: ela nos colocou para fazer uma cena de Romeu e Julieta. Eu era a Ama e Raquel a Julieta, é claro, pelo menos a Gina não foi tão insana de fazer ao contrario...
Pausa. Penso: E por que não? Teria sido divertido! Hahaha.
Pois era esse o ponto. Não era para ser uma dramalhão, mas quem conhecia a Raquel, sabia que fazer a Juliet era um transtorno pra ela. Pois era pra ser realista. E a Raquel... ela nasceu meio clown! Existe isso? Nascer "meio" clown? É a única definição que me ocorre.
Sempre ria muito ao lado dela, nas festas, nas viagens, nos reveillons, na produção pras festas a fantasia... Putz, em que encrenca a gente se meteu. E eu pra completar, tinha assistido ao Romeu e Julieta do Galpão, do Zeffirelli e mais quinhentas montagens com Amas ótimas a me perseguir e eu tentando fugir dquelas referências pra criar a minha própria.
Decidimos então "ousar". Vamos pra rua. Façamos na porta do DAD (aquela da entrada da Alziro Azevedo, pela Salgado Filho). Ué, a Ama não vem da rua, depois de falar com o Romeu? Bóra pra rua então!
E foi o máximo! Ralamos horrores! A Gina nos encheu até chegar o resultado... e como valeu... coisa boa estes desafios.
E pronto, dali pra frente Raquel foi pra sempre minha Juliet, que primeiro fez as malas pra ir pro Rio, acho que pra Escola de Circo e de lá, mandou e-mail pra Portugal, chamaram ela e a Fê Avellar, outra doçura que agora é mamãe do lindo Gabriel, e as duas malucas foram! Assim, foram!
E neste sábado, me deu uma alegria de ver a minha amiga lá... Fazendo o que gosta, dando aulas e amando cada vez mais a arte.
Mas quando passa muito tempo e a gente perde um pouco o contato com amigos que viajam para longe a gente sempre acaba achando que foi esquecido, ou mesmo que a saudade é uma onda que só vai e não volta do mar...
E por isso hoje a felicidade me invadiu, numa onda renovadora, como aquelas que mergulhávamos nos reveillons em Santa.
E durmo contente, ainda com as frases finais da minha amiga no programa de sábado onde ela disse: quem tem saudade tem poder, quem tem saudade tem por quem ter.

A benção doce Juliet, seja cada dia mais feliz!
Grande beijo de quem te ama...
"Ama".

3 comentários:

raquel disse...

Amore, é demais você!!! Tão dedicada... Mil beijos, continua em contacto.

Anônimo disse...

Lucinha que lindo!
A Raquel é mesmo maravilhosa!
E o teu blog também.
Sabe onde tem um Banco do Brasil aqui perto?
ahahahahah
Beijos Bathista Freire

Lu Bendati disse...

hehehe Bathista querido, que bom que gostastes!
Sim, my Juliet, de quem tenho doces lembranças mesmo.
Apareça mais querido, entre um Banco do Brasil e outro, hehehe
(amo piadas internas)
beijo